sexta-feira, 11 de março de 2011

Boletim de Fevereiro - O Trabalho de Toninho Pinheiro

O deputado foi indicado por seu partido, PP, para suplente da Comissão de Seguridade Social e Família e titular da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.
O deputado Toninho Pinheiro tomou sua posição de base aliada e se apoderou da trajetória eleitoral de Dilma para justificar seu voto em acordo com a proposta do governo para o salário mínimo, R$ 545,00. Para ele, os parlamentares devem votar com a Presidente e apresentar projetos que melhorem o gasto público, em especial, quanto à saúde.
 “Minha primeira observação é esta: a Presidente Dilma, quando foi Ministra, trabalhou bastante, foi uma guerreira. Durante 8 anos, prestou um grande serviço ao Brasil. S.Exa. conhece perfeitamente, muito melhor do que nós, todos os dados técnicos e econômicos do Governo Federal. Portanto, eu acredito que a proposta da Presidente Dilma, que foi eleita com a maioria dos votos do povo brasileiro, sobretudo dos mais carentes, é verdadeira, é honesta no que diz respeito ao que o Governo pode pagar como salário mínimo, ou seja, 545 reais. Eu apoio a proposta da Presidente Dilma”, disse ele.
Neste mês, destacam-se os dois discursos proferidos por Toninho Pinheiro que chamam a atenção para a sua preocupação com a saúde. “No Brasil, só os ricos têm acesso ao sistema de saúde. [...] Mas o fato é que, fosse ele pobre [José Alencar], com a doença que tem, já estaria morto e enterrado há muito tempo. [...] No Brasil, o Governo Federal fica com 58% dos recursos; os Estados, com 22%; os Municípios, onde o povo vive, com apenas 16%. Portanto, não podemos cobrar dos prefeitos ações na área de saúde. A cobrança deve ser feita ao Governo Federal, que tem o dever de dar às pessoas melhores condições de vida e acesso à saúde. Os eleitores que votam em nós têm direito a médicos e remédios. Espero que essa minha afirmação seja de alguma utilidade.”